Toda História pela Frente

by Kaatayra

supported by
pax_arcana
pax_arcana thumbnail
pax_arcana Original and epic, a fusion of artistry, passion, and culture. Favorite track: Miséria da Sabedoria.
𝙅𝙤𝙚 𝙎𝙥𝙞𝙣𝙚𝙡𝙡
𝙅𝙤𝙚 𝙎𝙥𝙞𝙣𝙚𝙡𝙡 thumbnail
𝙅𝙤𝙚 𝙎𝙥𝙞𝙣𝙚𝙡𝙡 What I feel listening to this is some sort of sensation of tapping deep into Mother Earth and dark, soothing connection to literal roots in moist and mouldy soil. And since it's from Brazil and I am from Finland, there's a great sense of unknown veiling the vibe. Musicianship is top-notch and compositions are ambitious. Powerful and revitalizing. Intelligent music, I love this. Favorite track: Toda Mágoa do Mundo.
RJ
RJ thumbnail
RJ Aggressive yet atmospheric black metal meshed seamlessly with South American folk influences. This is some of my favorite kind of music. Very nicely done. 8/10 Favorite track: O Castigo Vem a Cavalo.
more... more...
/
  • Streaming + Download

    Includes high-quality download in MP3, FLAC and more. Paying supporters also get unlimited streaming via the free Bandcamp app.
    Purchasable with gift card

      name your price

     

1.
Toda luz que me faz entender o que passou O escuro é o pai dos meus sonhos, a luz o abraçou. Luz é parida e do escuro traz verdade; a terra desconquistada atravessando corações, tamanha a gana por viva essência. Errantes, no som lhes abrigaremos junto aos encantos de antigas formas que de longe vieram rugir novamente a liberdade dos organismos coletivos, Lavar com marés a treva do homem e da mulher. Lavar com marés a luz de ontem. Vou sem desejos enterrados aonde o passado não sangra pra tarde queimar minhas dores, e ouvir o brado dos raios, e sonhar meus sonhos perdidos aqui. Deixei pelo caminho o peso dos meus rastros – vi luz se entregar às sombras, choros rompendo aos sopros, às vidas perdidas ao nunca na longa morte dos dias. Ante cegas iras pulsa o absurdo, âmago onde fim só imaginam lá se encontra nossa última descida para saber novos sentidos, pertencer à sábia impermanência que nos chama.
2.
Há só noite em mentes ocupadas e nos corações que enxergam e anseiam os caminhos são incertos, mas, a vontade é certa. Porque a calma e a justiça não existem para todos. Exclusivas da primeira sorte dos que nascem podendo. Anseiam por toda história pela frente. A força vem das lamúrias incessantes que habitam os ouvidos E dos choros ancestrais, que avisam em sonhos, cada sinal de problema. Soam sem parar, no escuro e mesmo assim, tentam. Com a coragem dos desesperados. Toda mágoa do mundo cai do céu como chuva. Ninguém entende de onde vem Olhares para cima que vêem só abandono Esgotados, porém, vivos. Sonhos de um mundo morto Agora sem seus lares Vagueiam flutuando pelo cosmos e além. Sonhos de um mundo vivo Agora em nossas mentes Os corpos carregados Para luta até o fim.
3.
Em ruas, vielas, castelos Nas vivências ardidas de luta e dor, Há pilhas de palavras que desmonoram todas vezes que são ditas Quando esperam que a linguagem seja consciência praticada Que as batalhas de hoje se inspirem nas de ontem. Que caia o amontado de ilusões, Perdidos em arte, bagunçado em conhecimento. Pois, nada contempla o que é certo quanto o filho faminto. Que caia os muros. Que caia as fronteiras. Falácias abstratas demais para se agarrar. Os desejos, abstratos demais para se inspirar. As dores sim, reais demais para se esquecer. O sofrer que faz falta para alguns Cria sombra no pesar do dia a dia de outrem. Dia após dia. E a miséria da sabedoria desnortea o entendimento. A filosofia não vivida guia os corpos para falta de organização. As más concepções de causa e efeito é regra, como a mentira dos direitos. O fogo engolido em prol de nossa paz O silêncio dos desacordados O choro engolido em prol de falsa paz O barulho da mente, os corpos ansiosos O fogo destemido é por nossa paz Em confusão de entender a realidade, Joga-se no ar poesia perdida como esta. Bandidas entre linhas. Labirinto de símbolos E cada verso não faz sentido E o que é dito não é vivido, Muito menos sentido. Mas, tudo passará Vamos viver novas frases Novas palavras virão, Acompanhadas por ritmos Cantadas em terra justa Que toda história pela frente Se resuma em dança, Onde nenhuma voz é menor que outra.

credits

released August 18, 2020

Caio Lemos - Voz e Instrumentos
Arte da capa pintada por Bruna Macêdo. (@mtcansada)
Letra de 'O Castigo Vem a Cavalo' por Bruno Augusto Ribeiro (à quem agradeço pela companhia no processo de fazer esse álbum. é nós)

license

all rights reserved

tags

about

Kaatayra Brasilia, Brazil

contact / help

Contact Kaatayra

Streaming and
Download help

Redeem code

Report this album or account

If you like Kaatayra, you may also like: